Caramel

A atriz Nadine Labaki estréia na direção de longa-metragem com um filme sensível e emocionante. Caramel (Caramel, 2007) é uma produção franco-libanesa e retrata a vida de cinco mulheres que moram em Beirute, capital do Líbano.

Nadine participou do projeto Residência do Festival de Cannes em 2005. A idéia de Gilles Jacob, presidente do festival, é reunir jovens talentos que queiram desenvolver um roteiro ou fazer o primeiro filme. Oito roteiristas e diretores dividiram um apartamento, alugado pelos organizadores, nos arredores de Paris e lá tiveram todo o conforto para compartilhar histórias e tocar seus roteiros. O diretor brasileiro Karim Ainouz ficou 18 meses na moradia experimental e concebeu “Madame Satã” (2002).

Nadine Labaki aproveitou a oportunidade e fez de Caramel uma declaração de amor à Beirute, sua cidade natal. Nadine escreveu o roteiro, dirigiu e ainda ficou com a personagem principal. Muito ego para pouco talento? Negativo. Poucas vezes o universo feminino foi abordado com tanta objetividade e transparência, e o maior mérito do filme é não querer passar uma lição de moral, apenas mostrar, questionar.

No salão de beleza Sibelle, cinco mulheres compartilham problemas, sonhos e decepções. A bela Layale, interpretada por Nadine, tem um relacionamento com um homem casado e passa o dia esperando o telefone tocar. Nisrine é de família mulçumana, mas está longe do estilo de vida que seus pais praticam, para piorar a situação está com o casamento marcado e não tem coragem de contar ao noivo que não é mais virgem. Rima sente atração por outras mulheres. Jamale é uma atriz veterana que não quer envelhecer. Rose é uma costureira que abdicou da felicidade para cuidar da irmã mais velha.

Nadine parte dessas cinco histórias para criar um roteiro bem trançado e lançar um olhar sobre a sociedade libanesa. Ao invés de lamentar, as personagens lutam, sonham e vivem numa cultura machista e dominada pelas tradições familiares. Temos a possibilidade de mergulhar no dia a dia de um povo que mantém a alegria e a esperança, apesar de todos os problemas. E nesse ponto eles se aproximam do jeito brasileiro.

Algumas passagens revelam as diferenças que existem entre o Ocidente e o Oriente de forma simples e direta. Layale quer alugar um quarto de hotel para passar uma tarde com o amante no dia do seu aniversário. Para isso ela tem que cruzar a cidade até encontrar um local que não lhe peça a identidade do marido, acaba numa espelunca e confundida com uma prostituta.

Nadine Labaki precisou deixar o país que ama para seguir na carreira que escolheu. Primeiro trabalhou como atriz e agora começa uma nova frente como cineasta. Nadine prova que suas personagens não são tão fictícias assim, ela é um exemplo do que vemos na tela.

Caramel foi selecionado para o Festival de Toronto 2007 e para a Quinzena dos Realizadores de Cannes 2007. Parece que Gilles Jacob sabia o que estava fazendo quando criou o projeto Residência.

Caramel (Caramel)

França, 2007. 95 minutos

Direção: Nadine Labaki

Com: Nadine Labaki, Yasmine Al Masri, Siham Haddad

Tags: , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: